Início Noticias Senadores querem ouvir secretário sobre nota antivacina

Senadores querem ouvir secretário sobre nota antivacina

63
0
A Frente Parlamentar Observatório da
Pandemia, que acompanha os desdobramentos da CPI da Covid no Senado, deve
convidar o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos
do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto para esclarecimentos sobre sua nota
antivacina.
O documento assinado por Angotti atribui
eficácia à hidroxicloroquina no tratamento contra covid-19 e diz que as vacinas
não têm a mesma efetividade, o inverso do que mostram os estudos em todo mundo.
Além disso, barra as diretrizes que
contraindicavam o “kit covid” no tratamento ambulatorial e hospitalar da
doença, elaboradas por um grupo de médicos convocados pelo ministro da Saúde,
Marcelo Queiroga, e aprovadas pela Comisso Nacional de Incorporação de
Tecnologias no Sistema de Saúde (Conitec).
O grupo de senadores deve chamar
também o ministro Marcelo Queiroga para explicar a nota técnica, o apagão de
dados sobre a pandemia e o atraso da vacinação das crianças. Caso não
compareçam, a ideia é convocá-los por meio de comissões permanentes do Senado.
“Só com pressão sobre os criminosos é
que o crime pode ser contido! Estamos diante de um novo surto da Covid-19 no
Brasil, e os sistemas de saúde estão colapsando, inclusive aqui no meu Estado,
o Amapá”, afirmou o senador Randolfe Rodrigues.
Outro convidado deve ser o
Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, em virtude da demora, na
opinião do Observatório, em tomar providências efetivas na apuração dos crimes
apontados pelo relatório final da CPI da Covid.
A Frente também quer ouvir as
instâncias estaduais do Ministério Público e representantes da Agência Nacional
de Vigilância Sanitária (Anvisa), como o presidente Antonio Barra Torres.
Caso as autoridades não compareçam, a
ideia é convocá-las por meio de Comissões Permanentes do Senado, como a de
Assuntos Sociais (CAS) e de Direitos Humanos (CDH). Se ainda assim não houver
resposta satisfatória, os parlamentares avaliam que  uma nova Comissão de Inquérito Parlamentar
(CPI) pode ser aberta.