Início Noticias “A inspiração é encantamento. Sou ligada à intuição”

“A inspiração é encantamento. Sou ligada à intuição”

104
0
Enaltecer a natureza, o movimento dos
ventos e a figura ancestral feminina: tudo isto está em Terra Aféfe, novo single
da cantora Margareth Menezes, lançado na última sexta (11). Música de versos
fortes e intuitivos, carrega bastante da inspiração de Margareth acerca da
fluidez mística dos ventos e da espiritualidade. Composta e produzida em
parceria com Carlinhos Brown, a canção possui também um lindo clipe que estreou
no sábado (12).
 De acordo com Margareth, o single
nasceu de sua inspiração pela força dos ventos, da natureza e do ar, após a
artista ver uma forte imagem da natureza na internet, que a deixou impactada. Confira
mais nesta entrevista exclusiva para o grupo A TARDE sobre Terra Aféfe e a
grande Maga. 
 Por que e de onde veio essa ideia
dessa música inspirada nas manifestações da natureza e da fluidez mística do
movimento dos ventos?
 Essa música veio justamente inspirada
em uma visão e movimento de vento mesmo, depois de uma imagem muito bonita que
vi no Instagram. Aquela imagem me inspirou e trouxe a música, até coloquei nas
minhas redes sociais. Mandei para Brown e falamos sobre este momento lindo. Fiz
alguns comentários sobre a imagem, o que sinto, o que vejo, minha percepção em
relação ao movimento da natureza e espiritualidade.
 O que essa música quer nos comunicar?
 Nem tudo está embutido na
religiosidade. Tem coisas que são da espiritualidade e vão mais além ainda. A
música tem esses elementos e também fala dessa força feminina, que a mulher
traz. É uma canção que leva um processo, uma profundidade também. Pedi para Brown
um single forte e diferente. Cinco minutos depois ele já me enviou uma parte da
letra, fomos afinando e no final de tudo, chegamos a essa composição. O nome
Terra Aféfe, que significa um lugar cheio de ventos, foi uma intuição dele.
“Aféfe” significa vento místico de Iansã. A música nasceu disso, dessa
inspiração que o vento trouxe e dessa força feminina também. Uma inspiração que
veio do ar, vi a imagem e a gente percebeu essa força.
 O single vai abordar também a questão
da feminilidade ancestral, para reconhecer exaltar o espaço e importância da
mulher na formação humana. Por que você resolveu levantar essas questões
relacionadas a figura feminina também?
 Porque o single está ligado também a
imagem da entidade feminina, Iansã. Ela é a força feminina que está natureza.
Não é aquele feminino que é só delicadeza, mas também uma força. Uma virtude de
força e poder. Essa inspiração já traz embutida também com a qualidade do poder
feminino. Dentro da simbologia, Iansã é um orixá ligada ao feminino. Tenho uma
ancestralidade muito forte. Uma ligação forte do meu sentimento com essa força.
 O que você mais destaca no single?
Destaco a maneira como ela chegou,
foi muito rápida. Brown ficou muito empolgado junto comigo e fomos gravar
imediatamente. A música veio trazendo vários movimentos de uma só vez, quando a
coisa tem que acontecer, acontece. Espero que as pessoas escutem de coração
aberto, pois a canção festeja a vida, traz essa palavra de força e levantamento
para o momento que estamos vivendo. Precisamos de esperança, alegria. É uma
canção que traz toda essas potencialidades importantes para nós. Uma música
muito especial, diz também sobre essa força feminina.
 De que forma esse chamado de Iansã,
orixá que na simbologia é a rainha dos ventos e dos raios, lhe influenciou para
produzir este single? Essa inspiração dela já tinha acontecido em outros
momentos?
 Aconteceu na minha música Dandalunda
também e em outras canções que já gravei. É algo muito interessante porque
essas coisas acabam chegando para mim. Sinto que cantar tudo isso é um presente
para mim. É o caso de outras músicas que gravei também, como Faraó e Elegibô,
elas chegaram em minha vida assim. Sinto-me muito honrada quando canções assim
chegam. Me sinto agradecida por ter essa ligação, sentimento e respeito pela
religião dos meus ancestrais. Tudo isso para mim é um grande tesouro. A
inspiração é uma mágica, um encantamento. Sou muito ligada a minha intuição,
sou muito intuitiva. Quem não se assombra com o invisível, consegue trabalhar e
desdobrar essa ferramenta que todo mundo tem. Terra Aféfe vem justamente com
esse link, por meio dessa abertura e inspiração. É ar, é força de vento e
movimento.
 Em termos de sonoridade, Terra Afefe
tem batidas percussivas eletrônicas também do afropop que você já faz? O que
este single estará dizendo em termos de sonoridade ?
Uns chamam, de axé, outros de
afropop. Traz um pouco de tudo que já faço na minha carreira, com uma linguagem
mais atual. Brown convidou também os músicos que trabalham com ele para compor
isso. Tem o arranjo, participação de Tito Oliveira, na bateria, que faz coisas
maravilhosas. É algo que já está muito ligado em minha carreira. A sonoridade
que já venho fazendo nos meus shows, sempre houve essa integração com os sons
digitais juntos, isso já faz parte do meu trabalho. É uma das identidades do
meu trabalho, o som do computador, são dois computadores juntos. É Afropop.
Como que as manifestações da natureza
e místicas do single chegam ao clipe? Vamos ver muito movimentos e efeitos no clipe?
 Isso é uma linguagem trazida pela
diretora Joyce Prado. Mas tudo isso já está no nosso cotidiano, o vento, o
movimento, isso é altamente materializado. Nós, seres humanos, somos filhos da
água, da natureza e do vento. A questão é a gente chegar na compreensão de que
somos natureza também. Tem uma parte que Brown diz na música sobre respirar com
os oriundos da selva de pé, que são os povos indígenas, os guardiões da
floresta. A selva de pé são as nossas florestas que estão precisando de um
olhar mais profundo. Elas significam um tesouro que pertence a todas gerações
deste país e do mundo. A música e o clipe falam sobre isso também. Quando a
gente vai estudando a letra, vamos vendo que tem todos esses elementos
compostos. É nossa visão de vida, de humanidade e também de respeito à
natureza. A própria religião de matriz africana tem todo um respeito, assim
como os povos indígenas, em relação a manutenção e o trato com natureza.
 Qual será a maior surpresa de Terra
Aféfe?
Estamos lançando uma música inédita,
forte, que tem a ver com o momento. Tem várias mensagens. A linguagem que forma
o universo da canção também é um outro aspecto É uma música alegre, dançante,
positiva. É uma grande surpresa, pois está chegando com um clipe também. Mais
uma parceria com este irmão querido, que é o Carlinhos Brown. A partir daí
vamos desdobrar outros projetos e produções. Espero que as pessoas curtam.
 *Sob supervisão do editor Chico
Castro Jr.