Início Noticias Bahia leva virada e perde do Atlético de Alagoinhas fora de casa

Bahia leva virada e perde do Atlético de Alagoinhas fora de casa

180
0
Que está longe de ser o Bahia que a torcida espera, já era previsível. Que a preparação foi curta e que o time passa uma por uma reformulação, todos já sabiam. Mas que faltaria garra, entrega e vontade de vencer… essa aí é outra conversa. E esse Bahia irreconhecível foi o que entrou em campo, neste sábado, 5, diante do Atlético de Alagoinhas, no estádio Carneirão, pela Copa do Nordeste.   

Rafael Tiago Nunes

Bahia leva virada e perde do Atlético de Alagoinhas fora de casa

Jon Premium

  O Carcará mereceu vencer e tomou pra si o jogo. Meteu 2 a 1 no Bahia, de virada, e fez por onde. Não foi na técnica. Não foi no esquema de jogo. Não foi na estratégia. Em um duelo de fraquíssimo nível técnico, o que prevaleceu foi a vontade de ganhar. E isso não faltou ao Atlético.>>Veja tabela de classificação e jogos do Nordestão>>Leia mais notícias sobre o Bahia
Com o seu melhor jogador no banco de reservas – Hugo Rodallega -, o Bahia até tentou se impor, de forma tímida, o seu ritmo, o seu estilo de jogo. Mas faltou tudo: conjunto, cooperação, organização e técnica. O Carcará soube se aproveitar das falhas do Tricolor. Deixou o time de Guto de Ferreira achar que mandava na partida, até cansar, e deu bote mortal, sem dó, sem pena.
Em casa, o Carcará contou com gol de Dionísio nos últimos minutos para virar para cima do Tricolor, conquistar a primeira vitória na competição regional e subir para a segunda colocação do Grupo A da Copa do Nordeste.
Com o empate entre Ceará e Fortaleza, o Bahia caiu para a segunda colocação do Grupo B e ainda pode despencar na tábua de classificação ao final da rodada. 
O Tricolor volta a campo na próxima quarta-feira, 9, quando enfrenta o Barcelona de Ilhéus pelo Campeonato Baianão.
Triste de assistir
A partida começou truncada, em um campo irregular, com o Bahia ensaiando uma suposta superioridade, mas sem levar perigo real ao gol do Atlético. Mas quem levou perigo foi o Carcará, com Dionísio, que parou em Danilo Fernandes.
O Tricolor até mostrava uma qualidade técnica melhor, mas não se resultava em organização ou ofensividade. E do outro lado, bem postado, e ciente do que queria, o Atlético se preparava para colocar o Esquadrão numa armadilha.
Porém, aos 25, quando o time de Alagoinhas parecia mais próximo de abrir o palcar, num vacilo, viu Raí Nascimento aproveitar desvio de Marcelo Cirino para empurrar para o fundo das redes e abrir o placar no Carneirão.
E foi só. O Atlético voltou a comandar a partida, sem pressão real ou grandes chances, mas sem ser incomodado.
Mesmo com Lucas Alisson  expulso aos 37, o Bahia não conseguiu fazer valer a superioridade numérica. Pelo contrário. Quem cresceu na partida foi Atlético. E, mesmo com um a menos, empatou em uma cobrança de falta ensaiada. Gabriel Esteves recebeu nas costas da barreira, finalizou na trave e Iran pegou o rebote, aos 45 minutos, para empurrar para o fundo das redes e empatar a partida.
Virada
O Tricolo voltou do intervalo sem conseguir se impor, seja pela superioridade numérica ou pelo orçamento infinitamente maior. E o Atlético de Alagoinhas foi ganhando cada vez mais campo e aumentando o nível de ousadia.
E Matheus Bahia, que fazia a sua estreia na temporada e deixou clara a sua falta de ritmo e de condições físicas, deixou tudo mais fácil ao ser expulso logo aos 4 minutos.
Perdido e cansado em campo, o Tricolor era mais dominado a cada segundo pelo Carcará. Guto botou Rodallega, que criou boas chances, mas Dionisio, do Carcará, que foi fatal e deu a vitória ao Atlético.