Início Noticias Covid: eficácia de reforço da vacina cai após quatro meses

Covid: eficácia de reforço da vacina cai após quatro meses

301
0
A eficácia de terceiras doses das vacinas de mRNA da Pfizer e da Moderna diminui drasticamente após o quarto mês de administração, de acordo com um novo estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.
Esse efeito era bem conhecido após a administração de duas doses dessas vacinas, mas foi pouco estudado após a terceira.
O estudo examinou 93.000 hospitalizações e mais de 240.000 atendimentos de emergência relacionados à covid-19 em 10 estados dos Estados Unidos. Foi realizado entre agosto de 2021 e janeiro de 2022 e abrange as ondas das variantes delta e ômicron.
Durante os dois períodos, a eficácia medida após uma terceira dose foi sempre maior do que após duas doses, observaram os CDC, que publicaram este estudo.
Uma vez que o ômicron se tornou a variante dominante, a eficácia contra hospitalizações foi de 91% para aqueles que receberam sua terceira dose dois meses antes à contaminação, mas caia para 78% para pessoas que a receberam pelo menos quatro meses antes.
Após o surgimento da ômicron, a eficácia das doses de reforço contra as visitas ao pronto-socorro foi de 87% nos dois meses seguintes, 66% após quatro meses e apenas 31% cinco meses depois.
Os CDC observam, no entanto, que este último número é “impreciso”, devido ao baixo número de participantes do estudo que receberam sua terceira dose há mais de cinco meses.
No geral, esses resultados “reforçam a importância de considerações suplementares sobre doses adicionais para manter ou aumentar a proteção contra a covid-19”, escreveram os CDC.
Durante uma entrevista coletiva na quarta-feira, Anthony Fauci, conselheiro da Casa Branca para a crise sanitária, estimou que pessoas vulneráveis, como idosos ou imunossuprimidos, podem precisar de uma quarta dose no futuro.